partilha.jpg
Espaço de Partilha - 2021

 setembro de 2021

Espaço de Partilha
Setembro de 2021

Mateus 7:21-27

O compromisso cristão: uma escolha radical [1]

Se não foi no versículo 13 que Jesus começou a sua conclusão do Sermão do Monte, certamente agora ele o faz. Neste ponto ele não está preocupado em acrescentar mais instruções, mas deseja assegurar uma reação adequada à instrução que acaba de dar. “O Senhor Jesus finaliza o Sermão do Monte”, escreve J. C. Ryle, “com uma passagem de aplicação penetrante. Ele volta-se dos falsos profetas para os falsos professos, dos falsos mestres para os falsos ouvintes”.R. V. G. Tasker comenta de maneira semelhante: “Entretanto, não são somente os falsos mestres que tornam o caminho estreito difícil de achar e mais difícil de palmilhar. Um homem também pode enganar-se dolorosamente.”

__________________________________________

[1] Penúltimo capítulo do livro “Contracultura Cristã – A mensagem do Sermão do Monte”, de John R. W. Stott.

contracultura cristã.jpg

 agosto de 2021

Espaço de Partilha
Agosto de 2021

"É importante cultivar qualquer emoção que traga um estado de contentamento e paz de espírito. Devemos aprender a evitar, desde o início, qualquer tipo de emoção que perturbe essa felicidade e essa paz de espírito.

 

Acredito que é um erro apenas considerar essa emoções negativas, tais como a raiva ou ciúme e inveja, como partes normais da nossa mente, algo sobre o que não podemos fazer muita coisa a respeito. O excesso de emoções negativas destrói a nossa própria paz de espírito, a nossa saúde, e cria problemas na nossa família, com os nossos amigos e na nossa comunidade.

 

Em geral, a inveja surge porque estamos muito focados em posses materiais (ou situações externas aparentes)*, e não nos nossos verdadeiros valores internos. (...) Mas o mais importante é desenvolver um senso de preocupação para com o bem-estar dos outros. Se você possui uma genuína bondade ou compaixão, então, quando alguém consegue algo ou tem mais sucesso, você consegue  se alegrar com a boa sorte do outro. Pois uma pessoa que está comprometida com a prática da compaixão e tem um verdadeiro sendo de preocupação com o bem-estar dos demais vai se alegrar com a boa fortuna dos outros porque estará feliz com o fato de aquela pessoa ter conseguido o que desejava." (Dalai Lama)

Trecho do livro Contentamento - o segredo para a felicidade plena e duradoura.

partilha.jpg
Contentamento_livro.jpeg

 julho de 2021

Excepcionalmente, neste mês, deixaremos disponível dois ricos textos no nosso Espaço de Partilha e mais a reflexão referente o dia de comemoração a São Bento. O primeiro: "A Sombra no Cristianismo", foi elaborado por David Steindl-Rast, monge beneditino, autor e conferencista católico americano, absolutamente comprometido com o diálogo inter-religioso e envolvido com a interação entre espiritualidade e ciência. O segundo texto, elaborado pelo Frei Richard Rohr, intitulado Êxodo: a jornada da fé e está inserido no conjunto de reflexões apresentadas pelo autor referentes aos grandes temas do Primeiro Testamento.

A Sombra no Cristianismo

David Steindl-Rast

Em seu entusiasmo pela luz divina, a teologia cristã nem sempre fez justiça às trevas divinas. (...) Temos a tendência de cair na armadilha da ideia de uma perfeição estática que nos leva ao perfeccionismo rígido. A especulação abstrata pode criar uma imagem de Deus que é estranha ao coração humano. 

Êxodo: a jornada da fé

Richard Rohr

A jornada do Êxodo, a jornada que Israel percorreu, é uma imagem da jornada feita por cada pessoa que se propõe a buscar a Presença Divina. Israel é, por assim dizer, a humanidade personificada e, portanto, o que aconteceu a Israel é o que acontece a todos os que iniciam a jornada da fé. O Cristianismo deve se reconhecer como uma religião inclusiva desde o início, e honrar suas raízes no Judaísmo.

São Bento_02.jpg

- 11 de julho -

Caros amigos,


Hoje celebramos a festa de São Bento.  São Bento foi considerado o Pai do Monasticismo Ocidental.  A maior parte do que sabemos sobre São Bento de Núrsia vem dos Diálogos do Papa Gregório, o Grande, escritos cerca de sessenta anos após a morte de Bento XVI.  Este trabalho é uma combinação de esboços biográficos e histórias de milagres.  Uma de suas maiores contribuições para nós é seu governo.  Seu governo foi considerado muito equilibrado e moderado.  Era uma boa alternativa ao modo de vida rígido e frouxo existente naquela época.  São Bento sugere a seus seguidores um estilo de vida dividido em oito horas de oração, oito horas de sono e oito horas de trabalho.  Oração e trabalho são os dois pilares básicos da vida e espiritualidade, regem a vida do monge beneditino.  A Regra de São Bento é uma reflexão imersa nas Escrituras que descreve uma forma de viver em comunidade.  É uma jornada humana ao coração de Deus.  Exigia uma comunidade onde todos tivessem o mesmo acesso a todos igualmente.  Aqueles que abandonaram tudo e entraram na vida monástica o fizeram para cumprir um objetivo: buscar a Deus.  Oração, trabalho, obediência, simplicidade de vida e estabilidade guiam a vida diária da vida monástica e, assim, guiam o monge em seu objetivo solitário de vida.


Buscar a Deus não é atividade apenas de monges e monjas em mosteiros.  Em vez disso, é a tarefa atribuída a todos.  E embora a maioria de nós não entre na vida monástica, há um monge interior dentro de nós que nos obriga a buscar a Deus em nossas vocações e vidas individuais, seja você um sacerdote, como membro de uma família, casado ou solteiro.  Buscar a Deus acontece aqui e agora, nesta situação, com essas pessoas, nesta família, neste local de trabalho, nesta escola e neste tempo.  Não é apenas para aqueles monges sagrados;  São Bento dá ao mundo o roteiro para buscar a Deus.  Oração, trabalho, obediência, simplicidade de vida e estabilidade ajudam os monges a buscar a Deus;  adaptados, eles podem ajudar o resto de nós também.  Oração, trabalho, obediência, estabilidade e simplicidade de vida marcam a vida dos monges.  Ao desenvolver o monge interior dentro de você, aproveite o que puder do estilo de vida monástico para encontrar Deus em sua vida.  Pe Bede disse em uma de suas palestras “temos em nossa tradição beneditina um exemplo maravilhoso .de um modo de vida que está aberto a todos - casados ​​ou solteiros, homens e mulheres, até crianças.  Todos são chamados a se abrirem para esta vida interior e dentro deste equilíbrio e harmonia de uma vida humana normal para manter aberto aquele olho interior de amor e permitir que ele faça esta transformação ”.  Hoje, a igreja precisa de muita inspiração dos valores beneditinos, especialmente da contemplação, que é muito universal.


Peçamos à graça de Deus que cresça mais e mais a cada dia na inspiração de São Bento para buscar a Deus como Ele diz: Não prefiram nada a não ser Cristo, e que Ele nos reúna a todos para a vida eterna.  Regra de Bento 72: 11-1


 Ir Dorathick (Prior do Ashram Beneditino Shantivanam)

 junho de 2021

Corpus Christi

Homilia de Dom Bernardo Bonowitz

"E eu, quando for elevado, atrairei tudo a mim" (Jo 12,32). Hoje, no fim da missa, colocarei a hóstia no ostensório e todos nós a acompanharemos em procissão em volta de nossos claustros. “Ostensório” significa “instrumento de manifestação”, de “exposição”. Jesus eucarístico será manifestado a nós, e de uma maneira misteriosa veremos a sua glória. Mas com igual justiça podemos chamar aquele recipiente de “elevador”, porque dentro dele se encontra Aquele que atrai e eleva tudo para si.

 maio de 2021

A Ponte entre as duas margens:

A experiência inter-religiosa de Henri Le Saux

Lúcio Valera

Esta dissertação [de mestrado] aborda a experiência inter-religiosa e o fenômeno da dupla-pertença que caracterizou a vida do monge beneditino Henri Le Saux (1910-1973), conhecido pelo nome indiano de Swami Abhishiktānanda. Bem além de uma mera busca de síntese teológica, ele propunha, mantendo-se fiel a sua fé cristã, repensar o mistério cristão no contexto da tradição religiosa da Índia. Seu propósito era “viver em si mesmo o encontro da experiência religiosa das duas tradições e deixar que reagissem entre si, permanecendo totalmente aberto ao que poderia surgir do choque do encontro que, sem dúvida alguma, nunca antes havia tido lugar com a profundidade necessária”.

 

(Dissertação apresentada ao Curso de Pós-Graduação em Ciência da Religião, da Universidade Federal de Juiz de Fora, como requisito para a obtenção do grau de mestre em Ciência da Religião da Universidade Federal de Juiz de Fora)

 março de 2021

Ninguém pode entrar no mais íntimo de seu ser e passar dali a Deus se não for capaz de sair inteiramente de si mesmo, esvaziar-se de si mes­mo e dar-se a outras pessoas na pureza de um amor altruísta. (Thomas Merton)

Há pessoas que farão qualquer coisa, não importa quão absurda, para esquivar-se a encarar sua própria psique. Praticarão todos os exercícios da ioga hindu, seguirão um severo regime de dieta, aprenderão teosofia de cor, ou mecanicamente repetirão textos místicos da literatura do mundo inteiro – tudo porque não conseguem sintonizar consigo mesmas e não têm a menor crença de que algo útil possa jamais provir da psique. (C.G. Jung)

 janeiro de 2021

Planejar é necessário e ficar no aqui e agora também.

Giridhari Das (Gustavo Dauster)

O primeiro passo para uma vida melhor é trazer a mente para o aqui e agora. No Caminho 3T chamamos isso de adotar o paradigma da realidade, e abandonar o paradigma da fantasia, que é nosso péssimo hábito de ficar nos lamentando no passado e ficar ansiando pelo futuro. Mas, tão logo falamos isso, surge a dúvida: e como vamos organizar e planejar a vida? Não vamos mais ter metas? Aqui vamos explicar então como isso é feito.