partilha.jpg
Espaço de Partilha - 2022

abril de 2022

Pantocrator.jpg

Crer em Jesus Cristo hoje

Que significa crer em Jesus Cristo hoje? Sua vida, sua pessoa e seu estilo de viver ainda nos dizem alguma coisa? A mais de dois mil anos das primeiras comunidades que com Ele viveram, somos instigados a interrogar nossa fé em Jesus Cristo. É esta interrogação que nos permitirá entrar no âmago do sentido do crer em Jesus Cristo hoje. Não se trata simplesmente de dar uma resposta conhecida, pronta, como a de muitos catecismos e livros de formação que circulam em nossas paróquias. Tampouco se trata de dar uma resposta que busque um recuo identitário e excludente, pouco dialógico, ao qual estão tentados alguns grupos cristãos contemporâneos.Torna-se necessária uma resposta mais de cunho pessoal e experiencial, uma resposta que transpasse nossas entranhas crentes. Uma resposta crente sim, mas que não ignore a contribuição das pesquisas históricas realizadas sobre Jesus, sobretudo durante o século passado e inícios deste. É necessário voltar ao elementar da fé e da vida cristã.

Manuel Hurtado, SJ.

março de 2022

Nossa Quaresma.png

A Quaresma de todos nós

Convido todas e todos vocês a refletirmos juntos sobre a quaresma, período de preparação para páscoa. Não uma quaresma ou páscoa temporais, muito menos restritas à tradição cristã, pois, tanto a quaresma, como a páscoa, são eventos que merecem ser refletidos e vivenciados por todos os seres, independente de sua tradição religiosa.

Rev. Frei Milton Menezes

 janeiro de 2022

A noção de Deus enquanto ser-em-si na teologia de Paul Tillich.

Osiel Lourenço de Carvalho

Thiago Rafael Englert Kelm

"O presente artigo discutirá o conceito de Deus a partir da teologia de Paul Tillich. Tal discussão, parte da premissa de que para Tillich Deus é o ser-em-si, ou seja, ele não é um “ente” entre os demais que constituem a existência. Deus é a resposta à perguntada levantada pelos seres humanos, bem como o nome de sua preocupação última, de modo que a resposta é obtida por meio de símbolos. Outros elementos como a nação ou o sucesso também podem “funcionar” como preocupação última e, consequentemente tornam-se elementos idolátricos.​"