Tomando por base a nossa defesa do pluralismo religioso e a rica partilha com as demais tradições religiosas na busca contínua da plena percepção do Divino que habita em nós, a partir do mês de julho/2021, retomaremos nosso "Espaço Plural", com a divulgação de textos e vídeos provenientes das diversas tradições religiosas que comungam conosco da harmonia, da justiça, do amor e da paz entre os seres.

Espaço Plural

Pluralismo religioso_edited.jpg

2021 / 2022

Setembro 2022

O ser humano é infinitamente pequeno perto da imensidão do universo, é praticamente impossível compreender o Absoluto em sua totalidade, somente o Absoluto sabe tudo sobre o Absoluto. É como uma pequena célula do seu corpo tentando compreender tudo o que ocorre em seu sistema físico, o que acontece na sua mente, seus pensamentos, no seu sistema energético… a célula está interligada com você como um todo, mas ela não tem capacidade de compreensão total. Temos uma pequena consciência que interpreta o Absoluto lhe dando nomes e características a partir de prismas de olhares para alguns de seus desdobramentos. Em verdade não importa se você o chama de Deus, de Alá, de Brahma, de Tupã, de Oxalá… O importante é como você O sente e a partir desse sentir, como você reflete essa conexão no mundo através do seu caráter e suas escolhas de fazer o que é correto a partir do seu nível de compreensão do Todo, não somente para si, a pequena célula, mas para as pessoas as quais cruzam o seu caminho, o sistema complexo o qual você está experienciando nessa estadia aqui na Terra.

 

Caio Costa

Terapeuta Holístico e

Professor de Yoga

Agosto 2022

Tolerância não significa ter de seguir as crenças ou opiniões dos outros; e sim que o outro tem direito de ter suas próprias opiniões ou crenças. É notória a dificuldade do ser humano em aceitar o diferente, principalmente no que tange a algo tão pessoal como a religião. No Brasil - e pode-se dizer no mundo todo - há uma crescente onda de intolerância e restrições impostas ao exercício do direito à liberdade de religião ou crença.

Como bem ressaltou o Papa Francisco em sua viagem pela Ásia, tanto a liberdade religiosa quanto a de expressão são direitos humanos fundamentais. Todos têm não apenas o direito, mas a obrigação de dizer o que pensam pelo bem comum. E podemos fazer isso em ofender.

Ressaltamos que as liberdades de expressão e de culto são asseguradas pela Declaração Universal dos Direitos Humanos e pela Constituição Federal. A religião e a crença de um ser humano não devem constituir barreiras para fraternais e melhores relações humanas. Todos devem ser respeitados e tratados de maneira igual perante a lei, independentemente da orientação religiosa.

 

Profa. Dra. Nádina Aparecida Moreno

Diretora da PUC-PR (Campus Londrina)

Julho de 2022

Os medíocres pedem a Deus a vitória em uma luta que não estão dispostos a enfrentar. Imaginam que a boa empresa, o bom emprego e o bom companheiro são encontrados, e não construídos.

Se o seu filho lhe disser que quer vencer uma maratona, você não lhe dará uma medalha. Você lhe dará um tênis. Deus faz a mesma coisa.

 

Samer Agi

Junho de 2022

Podemos dizer que eu e Deus somos um?

 

John Martin (Sahajananda Kuvarapu)

 

 

Sim, mas qual "eu"?

 

Existem quatro níveis de 'eu'.

 

“Eu” individual relacionado ao nosso corpo e individualidade.

 

Coletivo “eu “relacionado à nossa religião, nacionalidade etc.

 

“Eu universal” que está unido com toda a criação.

 

Eu divino o fundamento e a base do universo e de todos os três “eus”.

 

Quando alguém diz: Eu e Deus somos um, o “Eu” é o quarto “Eu”.  Só Deus é Deus.

 

Não posso dizer que eu e Deus somos um quando nos relacionamos ao indivíduo inferior “eu”, “eu coletivo”, “eu universal”.  Eles podem apenas dizer: meu fundamento (Atman) é Deus, meu verdadeiro eu (Brahman) é Deus.

 

Quando alguém diz: Eu e Deus somos um, na verdade significa: meu verdadeiro “eu” (Brahman / Atman) ou “eu infinito” é Deus.  Mas as pessoas podem entendê-lo mal.  Jesus Cristo foi crucificado quando disse: Eu e o Pai somos um.  Na verdade, ele estava dizendo: minha base, meu alicerce, meu pai, meu verdadeiro eu e Deus são um.

 

Sim, pode-se dizer: eu (meu verdadeiro “eu”) e Deus somos um.  Mas é sempre sábio dizer: O meu verdadeiro Eu é Deus.

Maio de 2022

Professora Lurdes Santos

Semana Santa de 2022

O sentido místico do "Lava-pés".

Ananda Ramana

 

Nossos pés não tem vontade própria, eles são levados enquanto nos levam. Em verdade, os pés representam a vontade, o querer e o desejo do individuo, de ir onde quer, supostamente livre para escolher o ritmo e a direção para onde devem seguir os pés.

Os pés representam assim a mentalidade, ainda que estejam no extremo oposto da cabeça. A mentalidade/vontade nos levou e leva por caminhos que não produziram os frutos da Sabedoria e Felicidade.

Os pés/mentalidade/vontade estão sujos com o pó de muitos caminhos, de muitas doutrinas, de muitas ideias, de muitas opiniões e especulações. O pó da estrada que se cumulam nos pés/mentalidade/vontade são os conceitos que não nos permitem afundar no Coração para encontrar lá a Verdade do Pai, seu Logos, sua Vontade, seu Silêncio, a Bem-aventurança que adorna a alma dos Místicos.

O Cristo lava nossos pés através das águas da Purificação Interna, nos preparando para o banquete do Pão e do Vinho: Da Sabedoria e da Mística

Maria Madalena lavou os pés do Amado, Ele que não necessitava de Purificação. Na mesma intenção de Amor sem limites e distinções, o Amado lava os pés dos Apóstolos. 

Recordamos este gesto de Amor! 

Este é o dia da Purificação! 

Vem Senhor! 

Maranatha!

Março de 2022

A maior humildade de todas é reconhecer e aceitar que existem leis além daquelas dos seres humanos e que não somos o padrão do universo. Os princípios eternos protegem e governam o bem-estar de todas as formas de vida. Quando nos alinhamos com as verdades eternas, encontramos a liberdade, nosso caminho. Alinhamento às leis divinas não nos limita ou anula. Ao contrário, as leis eternas são o meio que permitem a expressão completa do indivíduo. Não há transgressão, uma vez que respeito é sempre dado à individualidade dos outros. A harmonia é mantida.

Brahma Kumaris em Somos Todos Um

Fevereiro de 2022

Aproveitara vida é correto; o segredo da felicidade consiste em não se apegar a nada. Deleite-se com o perfume da flor, mas veja Deus nele. Eu mantive a consciência dos sentidos somente para que, ao usá-los, sempre pudesse perceber Deus e pensar Nele. "Meus olhos foram feitos para contemplar Tua beleza em toda parte. Meus ouvidos foram feitos para ouvir Tua voz onipresente." Isso é Yoga, união com Deus. Não é necessário embrenhar-se na floresta para encontrá-Lo. Hábitos mundanos nos prenderão com firmeza onde quer que estejamos, até nos livrarmos deles. O iogue aprende a encontrar Deus na gruta de seu coração. Aonde que que vá, ele leva em seu íntimo a consciência beatífica da presença de Deus.

Paramahansa Yogananda em “A Eterna Busca do Homem”.

Janeiro de 2022
Dezembro de 2021
Novembro de 2021
Outubro de 2021
Setembro de 2021
Agosto de 2021

TEOLOGIA DAS RELIGIÕES

João Manuel Duque

É indiscutÍvel que a questão do diálogo inter-religioso se tornou especialmente premente no final do século XX e no início do XXI. Numerosas tomadas de posições e iniciativas da Igreja têm demonstrado a importância desse facto para o cristianismo actual. Para o tema de que me ocuparei, é sobretudo importante acentuar, desde já, uma distinção básica: a diferença entre teologia das religiões e diálogo inter-religioso ou outro tipo de iniciativas que reúnam fiéis de várias tradições religiosas.

O que pretende a teologia das religiões é sistematizar os fundamentos teológicos para qualquer diálogo inter-religioso, centrando-se nas questões de se esse diálogo é possível, a partir de pressupostos teológicos; ou mesmo, se esse diálogo é exigido por esses pressupostos teológicos. É neste sentido estrito que aqui serão apresentados e debatidos alguns elementos da actual teologia das religiões.

Julho de 2021

No mês de julho de 2021, disponibilizamos uma reflexão do monge beneditino John Martin (Sahajananda Kuvarapu) que vem dedicando sua vida ao diálogo inter-religioso, particularmente ao Diálogo Cristão Hindu. Ele mora na Índia em um ashram chamado Shantivanam.