Retirando o véu*

 

O futuro, entretanto, é melhor do que qualquer passado. — Pierre Teilhard de Chardin, A Tomada de Decisão.

Se você for como eu, há uma parte de você que ficou aliviada ao virar o calendário para 2021. O novo ano coloca pelo menos alguma distância simbólica entre nós e 2020, um ano que trouxe tanto caos, desgosto e incerteza para tantas pessoas em todo o mundo. Ouso dizer que ninguém viveu o ano passado sem experimentar algum nível de perturbação e perda da liberdade, da saúde, dos entes queridos e, especialmente, de nossa acalentada noção de como as coisas “deveriam” ser.

O tema das Meditações Diárias para 2021 é “Um Tempo de Revelação”. Estou convencido de que vivemos em uma época em que a realidade está sendo revelada como é. Os sistemas do mal se tornaram mais descarados e banais, nosso senso de “normal” foi derrubado e, ainda assim, no meio de tudo isso, Deus continua a nos convidar para uma transformação mais profunda. Semanas após o início da pandemia, algumas pessoas até começaram a usar a palavra “apocalíptico” para descrever o que estava acontecendo. Frequentemente, essa palavra é usada para assustar as pessoas e levá-las a algum tipo de comportamento amedrontador, exclusivo ou reacionário, tudo na expectativa do "fim dos tempos". Mas a palavra "apocalíptico", do grego apokálupsis, na verdade significa apenas "revelação".

O início do novo ano parece um bom momento para fazer uma pausa, “retirar o véu” e perguntar: “Para onde vai tudo isso? Qual é o objetivo final para todos nós e, por falar nisso, para o próprio cosmos?” O nosso “grande e atrasado planeta Terra” está realmente caminhando para o Armagedom? Nestes tempos turbulentos, sem amarras e desiludidos, dificilmente consigo pensar em preocupações mais relevantes.

Não importa o que está acontecendo ao nosso redor, é importante lembrar que Deus continua transformando a criação em algo bom e novo. Em vez de nos lançar para a catástrofe, Deus sempre quer nos levar a um lugar ainda melhor. Uma palavra útil aqui é “evolução”. Deus continua criando coisas de dentro para fora, então elas estão sempre se desenvolvendo, crescendo e mudando para o bem. Isso pode ser difícil de ver às vezes no momento, mas é verdade

Enquanto mais e mais pessoas parecem acreditar que o universo não tem forma, direção ou propósito final, como cristãos, podemos ter certeza de que o objetivo final tem forma e significado. O símbolo bíblico do Cristo Universal e Eterno (Alfa e Ômega) está em ambas as extremidades do tempo cósmico. Isso nos assegura que a trajetória clara e completa do mundo que conhecemos é um desdobramento da consciência com “toda a criação gemendo neste grande ato de dar à luz” (Romanos 8:22). Por que eu acho que esta é uma imagem tão importante para lembrar? Francamente, porque sem ela ficamos muito impacientes conosco e com os outros, especialmente quando encontramos contratempos (pessoais e comunitários). Os humanos e a história crescem lentamente

_______________________________

(*) Adaptado de Richard Rohr, The Universal Christ: How a Forgotten Reality Can Change Everything We See, Hope For, and Believe (Convergent: 2019), 91, 95-96 e disponível em <https://cac.org/pulling-back-the-veil-2021-01-03/>.

Entre em contato conosco - mongesanglicanos@gmail.com

  • Facebook